A Associação

 

Quem Somos:

 
A Associação Cultural Trapiá, oficialmente criada em 2017, já atua desde 2014 no cenário cultural do Rio Grande Norte através das ações da Trapiá Cia Teatral. A partir de 2017 suas atividades se ampliaram para além das montagens teatrais.

A Associação acredita que a atuação dos artistas que compõem sua estrutura pode contribuir para a melhoria da vida das pessoas, sobretudo crianças e adolescentes através de ações que qualifiquem a educação tendo a arte como ferramenta, tanto que seus projetos foram reconhecidos e foram registrados no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Caicó/RN (Registro nº 13).

Uma das características da Associação é falar do lugar em que ela se encontra, o sertão, por acreditar que ao falar do seu lugar está falando do mundo e se relacionando universalmente com todos os povos. O coletivo formado a partir desta ideia se propôs a defender, preservar e conservar o meio ambiente e promover o desenvolvimento sustentável tendo a arte como instrumento para chegar a todos os lugares e todas as pessoas. Acreditamos que a promoção da cultura e a defesa de todo o patrimônio material e imaterial é papel decisivo para o desenvolvimento do ser humano em sua totalidade.

Envolver-se em projetos que tenham a educação, a arte e o meio ambiente como focos é uma premissa perseguida por todos os agentes que formam a Associação Cultural Trapiá. A expertise de cada membro do coletivo, nos campos artístico (teatro, dança, música, artes visuais, cordel, artesanato), acadêmico (História, Pedagogia, Geografia, Letras, Direito, Enfermagem, Dança) e socioambiental, nos dá a segurança de continuar trilhando um caminho que busque resultados concretos na harmonização do homem com a natureza, bem como a promoção de uma educação de qualidade, contribuindo para a inclusão de todos no tão desejado desenvolvimento sustentável e responsável.

No campo das artes cênicas, através da Trapiá Cia Teatral, são desenvolvidos projetos com a proposta de descobrir obras teatralizáveis e convidar um dramaturgo para fazer a transposição do texto literário ou científico para a linguagem cênica. Ou seja, todas as montagens serão inéditas. Neste sentido montou em 2014 o espetáculo “P’s” que circulou por 14 estados brasileiros, realizou 52 apresentações para um público aproximado de 10 mil pessoas e circulou pelas 5 regiões do Brasil pelo Palco Giratório do SESC em 2018, além de ter recebido diversos prêmios em festivais de teatro.

Em 2018 montou o espetáculo “Chico Jararaca” inspirado no livro/entrevista “Nunca Matei Ninguém!” de Carlos Lyra. Em 2019 o projeto “Chico Jararaca nas comunidades rurais de Caicó” foi selecionado no Edital Descentrarte/FUNARTE e circulou por 11 comunidades da cidade. Já acumula 47 apresentações em 17 cidades do RN e PB e um público de 5 mil pessoas. Em 2021 CHICO JARARACA recebeu o Troféu Cultura RN como o melhor espetáculo do estado (votação popular) de 2020/2021, além do troféu de Melhor Ator. Durante 2019 e 2020 (pandemia) a Trapiá Cia Teatral se dedicou a pesquisar e montar os espetáculos “MENINO PÁSSARO” (infantil) de Afonso Nilson inspirado no cordel “O menino e os pássaros” de Edcarlos Medeiros, o espetáculo “CONDENADXS” de Lourival Andrade, inspirado na peça “Esta propriedade está condenada” de Tennessee Williams, o espetáculo de bonecos “AS PELEJAS DE BALTAZAR” de Emanuel Bonequeiro inspirado nas lendas populares nordestinas e brasileiras e “1877” de Lourival Andrade inspirado em obras literárias (“A fome” de Rodolfo Teófico” e “Os retirantes” de José do Patrocínio”) e trabalhos acadêmicos, que retratam a difícil situação dos sertanejos nordestinos na grande seca de 1877/79. Os espetáculos tiveram apoio e patrocínio para suas montagens através de editais do município de Caicó, estado do Rio Grande do Norte e Governo Federal.

Também em 2019 criou e executou o projeto “Dramaturgia Potiguar e dos Sertões” em parceria com o Programa de Pós Graduação em História dos Sertões da UFRN, Centro de Ensino Superior do Seridó e Pró Reitoria de Extensão da UFRN e grupos de teatro de Caicó (Trapiá Cia Teatral, Grupo Retalhos de Vida, Cia Arte e Vida, Cia Teatral Verso e Prosa e Cia de Teatro Filhos de Acauã), sendo a primeira ação a leitura dramática e análise dramatúrgica do texto “As Velhas” de Lourdes Ramalho.Este projeto será replicado em 2022, 2023 e 2024, com 05 leituras dramáticas de autores consagrados na temática dos sertões (Racine Santos, Francisco Pereira da Silva, Joaquim Cardozo e Romário José Borelli) e com apoio da FAPERN (Fundação de Apoio à Pesquisa do RN).

A partir do ano de 2017 a Associação também de enveredou em produções de audiovisual através da Trapiá Filmes. A primeira produção foi o filme “P’s”, vencedor do Prêmio de Finalização – Mística na 5º Mostra de Cinema de Gostoso e Melhor Curta Metragem Potiguar no IX Festival Internacional de Cinema de Baia Formosa, ambos em 2018 e foi selecionado para 12 festivais nacionais e internacionais. Em 2021 estreou seu mais novo filme intitulado FOLE, patrocinado com recurso da Lei Aldir Blanc, Governo do RN e Fundação José Augusto. FOLE em 2021 participou de 9 festivais nacionais e internacionais e ganhou 06 prêmios.

Em 2021 mais um coletivo foi criando por artistas da Associação Cultural Trapiá, o Jurema Coletivo de Dança estreou o espetáculo NOSOTRAS e logo após a estreia foi convidado para participar do Pensamento Giratório e Intercâmbio, ambos promovidos pelo SESC.Para além de dançar a ideia do Jurema Coletivo de Dança é dialogar com a contemporaneidade e seus desafios, entre eles o feminicídio, as questões sociais e o papel da arte e da cultura na melhoria das condições humanas de existência, convivência e resistência.

Também em 2021 o projeto TRAPIÁ SEMENTE: SEMEAR, REGAR. FLORESCER foi selecionado pelo Edital Transformando Energia em Cultura (NEOENERGIA/COSERN) e diversas ações com crianças e adolescentes foram desenvolvidas no ano de 2022 (apresentação do espetáculo Menino Pássaro, workshops, oficinas de bonecos e direção de arte, aulões de construção de cenas, montagem de espetáculos, escrita de um e-book contando toda a experiência e oficinas permanentes de teatro) em 06 (seis) cidades do Seridó (Acari, Equador, Parelhas, Currais Novos, Carnaúba dos Dantas e Cruzeta).

No campo das ações sociais a Associação Cultural Trapiá desenvolveu o projeto “Seridó Criativo”, com foco na econômica criativa como força motriz para artistas e comunidades. A primeira edição do projeto em 2019 envolveu 32 artesãos de 10 comunidades da região do Seridó Potiguar, 10 prefeituras, a Trapia Cia Teatral, um brincante e atingiu 8.305 pessoas. Também em 2019 foi aprovado o projeto “Entre na Dança”, que prevê curso gratuito de dança de salão e dança contemporânea para adolescentes em situação de vulnerabilidade social da Escola Estadual Professor Antônio Aladim de Araújo, em Caicó/RN (por conta da pandemia ele começou a ser executado em 2021 e vai até abril de 2022). Este projeto recebeu recursos financeiros do FIA (Fundo da Infância e da Adolescência), por meio de seleção em edital lançado pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Caicó.

Em 2018 e 2019 a Associação Cultural Trapiá desenvolveu, em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte, o projeto “Conexão Cordel” que levou para quase 800 crianças, adolescentes, professores e funcionários, gratuitamente, de 04 escolas públicas do Seridó, uma aula espetáculo que contava a História do Cordel no Brasil e distribuição do folheto O CORDEL NO SERIDÓ de Djalma Mota. Para 2022 o projeto pretende chegar em 32 escolas do Seridó Potiguar e levar também uma oficina de escrita cordeliana para os alunos e professores destas unidades escolares